Mulher de 22 anos espancou dois homens até a morte com uma pá antes de ‘estuprar um com ela’


Uma mulher de 22 anos foi condenada por espancar dois homens até a morte e “estuprar” uma de suas vítimas com o cabo de uma pá

Elena Povelyaikina foi condenada por espancar dois homens até a morte (Imagem: Ok.ru)

Elena Povelyaikina, uma grande boxeadora, foi presa por 13 anos na região de Omsk na Rússia por causa das mortes. Ela atacou um homem “bêbado”, de 37 anos, que se recusou a deixar a casa da família na aldeia de Mikhailovka, foi informado ao tribunal.

“No início, a garota espancou brutalmente o homem, depois arrancou o cabo de uma pá e cometeu atos violentos de natureza se**** contra ele”.

Informou um comunicado do Comitê de Investigação Russo
Elena Povelyaikina foi presa na Rússia (Imagem: Ok.ru)

Quando ele morreu, ela “carregou o corpo por cima da cerca e jogou-o na rua”.

A polícia inicialmente não conseguiu encontrar um suspeito.

Dois meses depois do primeiro crime, ela estava bebendo com moradores locais e um homem chamado Evgeny Grebenkov, 31, fez comentários maldosos sobre seu pai, Pyotr Povelyaikin. O pai dela, é um fazendeiro “rico” que criou ela e seu irmão Valery, 26, como pais solteiros.

primeira vítima (Imagem: Canal 1)

“Ela saltou sobre ele e infligiu muitos golpes com as mãos e os pés, causando ferimentos corporais dos quais o homem morreu no dia seguinte”.

disse o comitê

Depois de matar a segunda vítima, ela confessou os dois assassinatos.

Um morador local disse ao jornal Komsomolskaya Pravda: “Embora seja pequena em estatura, ela é forte. Ela gostava de boxe”.

Uma testemunha do segundo assassinato disse: “Quando ela estava batendo em Ivan, minha irmã e eu imploramos que ela não tocasse nele.

O investigador estadual Ivan Lyubyi disse: “O réu primeiro confessou as duas mortes, mas depois se recusou a testemunhar.

“Ela apresentou várias versões – que o primeiro homem morreu depois de ser atropelado por um carro na estrada, e o segundo de insuficiência renal, que ele supostamente teve.

“Mas a análise forense refutou essas versões.”

Ela foi condenada por “inflição intencional de lesões corporais graves, resultando em morte” e “violência de natureza se****”.

Dando uma palavra final no tribunal antes de iniciar sua sentença, ela “expressou condolências aos enlutados pela perda de seus entes queridos, mas não admitiu sua culpa por cometer os crimes”, disse um porta-voz do gabinete do promotor.

O julgamento foi realizado em segredo por causa do testemunho se***.

Seu noivo, Fyodor Kalmykov, disse que ela era “gentil” e “não podia fazer mal a ninguém”.

“Vou esperar por ela – nunca tive sentimentos tão fortes por ninguém em minha vida”, disse ele.

Sua mãe, Vera, afirmou que foi incriminada por inimigos na aldeia.

Você pode gostar...