China teme que segundo surto de coronavírus possa vir de visitantes estrangeiros

As autoridades da cidade de Guangzhou, no sul do país, ordenaram que bares e restaurantes não atendam clientes que parecem ser de origem africana, pois emergiu que a maioria dos novos casos era do exterior

O país foi o centro do surto no ano passado (Imagem: China News Service via Getty Ima)

A China relatou um aumento de novas infecções por coronavírus, já que médicos na cidade central de Wuhan alertaram que seu comportamento ainda não era bem conhecido.

As restrições severas impostas na China desde janeiro reduziram bastante as infecções desde o auge da pandemia em fevereiro, embora tenha se espalhado pelo mundo para infectar 1,6 milhão de pessoas com 100.000 mortes.

Mas as autoridades chinesas temem a possibilidade de uma segunda onda desencadeada por chegadas de pacientes no exterior ou assintomáticos.

Membros de uma equipe de assistência médica ao embarcar em um avião no Aeroporto Internacional de Wuhan Tianhe (Imagem: China News Service via Getty Ima)

“Não podemos dizer que não exista esse risco potencial”, disse Wang Xinghuan, presidente do hospital Leishenshan de Wuhan, seu segundo construído especialmente para pacientes com vírus.

Embora alguns especialistas não esperem uma grande segunda onda, graças aos rígidos controles da China, a possibilidade não pode ser ignorada, disse ele a repórteres.

Barcos policiais e militares para patrulhar praias, enquanto os britânicos continuam a ignorar o bloqueio

Coronavírus: EUA têm dia mais mortal como primeiro país a registrar mais de 2.000 mortes

“Atualmente, do ponto de vista do hospital, nossa compreensão do vírus ainda é muito insuficiente”, disse Wang, durante uma visita ao hospital organizada por funcionários de Wuhan.

Por exemplo, não ficou claro imediatamente como eram as pessoas assintomáticas infecciosas, acrescentou.

Médicos na China observaram algumas diferenças no comportamento do vírus em relação ao observado na Europa e nos Estados Unidos, disse Zhao Yan, médico do Hospital Zhongnan de Wuhan.

“O mais óbvio é que na Europa e nos Estados Unidos muitas pessoas perderam o paladar e o olfato, mas vimos muito poucos casos”, disse Zhao a repórteres.

A Comissão Nacional de Saúde disse que 46 novos casos foram registrados na sexta-feira, incluindo 42 do exterior, contra 42 no dia anterior, enquanto a província de Hubei, cuja capital é Wuhan, não registrou novos casos pelo sétimo dia consecutivo.

Dos novos casos importados, 22 estavam na província de Heilongjiang, no nordeste do país, onde cidadãos chineses que cruzavam a fronteira com a Rússia chegaram a um pico recente nos casos.

As autoridades provinciais de saúde disseram que todos os novos casos importados também envolvem esses casos, embora a província tenha um novo caso local em sua capital, Harbin.

A maioria dos novos casos é de viajantes vindos do exterior (Imagem: AFP via Getty Images)

Em outros lugares, a Mongólia Interior registrou diariamente 27 novos casos importados até a manhã de sábado, também todos da Rússia, informou a autoridade de saúde da região.

A cidade da região de Manzhouli, ao longo da fronteira com a Rússia, disse que está preparando um novo hospital para tratar pacientes com vírus que será concluído na terça-feira.

O aumento de casos no exterior levou as autoridades da cidade de Guangzhou a acelerar o escrutínio de estrangeiros, ordenando que bares e restaurantes não atendam clientes que parecem ser de origem africana, disse o consulado dos EUA na cidade.

Escolas podem reabrir em junho em ‘abordagem escalonada’ até o final do bloqueio

Qualquer pessoa com contatos “africanos” enfrenta testes de vírus obrigatórios seguidos de quarentena, independentemente do histórico recente de viagens ou isolamento anterior, afirmou em comunicado, aconselhando afro-americanos ou aqueles que temem ser alvos de ficar longe.

China teme segundo surto de coronavírus

A China detectou 34 novos casos assintomáticos na sexta-feira, abaixo dos 47 do dia anterior, segundo a comissão de saúde.

O número de infecções na China continental agora é de 81.953. O número de mortos subiu três na sexta-feira para 3.339.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *