Mulher foi estuprada, chicoteada e morta por rebeldes, “depois que ela lhes servia peixe proibido”

O terrível assassinato aconteceu depois que ela serviu milicianos, que eles acreditavam ter quebrado seus encantos de proteção na República Democrática do Congo.

Uma mulher foi brutalmente violada antes de ser decapi**** em frente a uma multidão enfurecida em um castigo repugnante por servir peixe a combatentes rebeldes.

Imagens horripilantes da mulher sendo espancada foram compartilhadas no Whatsapp por testemunhas oculares na República Democrática do Congo.

A execução pública foi realizada com manchetes depois que ela serviu peixe a um grupo de militantes contra o governo em seu restaurante, e seus assassinos subsequentemente beberam seu s****.

Seu costume dita que eles não podem comer carne ou peixe enquanto lutam, e o vídeo mostra um homem declarando que ela deve morrer por cometer “alta traição”.

Antes de sua morte, a mulher foi forçada a fazer s*** com o filho da segunda esposa de seu marido enquanto uma grande multidão assistia, e uma mulher usando uma bandana identificando-a como membro do movimento Kamuina Nsapu é vista chicoteando-a.

O homem também foi morto pelos membros da milícia.

O terror naz**** dos pais em uma luta solitária para levar o assassino do filho à justiça depois que o Ministério das Relações Exteriores se recusou a intervir

Aconteceu na cidade de Luebo em abril, que havia sido tomada pelos rebeldes do grupo rebelde, que foi formada depois que um chefe tribal foi morto pelo exército congolês no ano passado.

Além de evitar carne e peixe, a França 24 relatórios, o grupo não lava como estes são considerados para quebrar seus encantos de proteção.

Uma testemunha ocular disse ao site: “Foi vergonhoso, macabro, revoltante, vergonhoso … Eu não aguentei e saí. Nunca vimos nada assim antes”.

Um disse que a mulher era muito querida, mas muitos aplaudiram a execução porque os rebeldes são considerados “poderes satânicos”.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *