Médicos tem dobrado a prescrição de antidepressivos nos últimos 10 anos

O Royal College of Psychiatrists alertou que os antidepressivos não devem ser a opção para depressão leve

O número de prescrições de antidepressivos está em um recorde, depois de dobrar na última década Médicos e farmacêuticos deram 71 milhões no ano passado, disse o NHS Digital. O número subiu a cada ano desde os 36 milhões em 2008, apesar dos chefes do NHS insistirem que querem acabar com a cultura de “uma pílula para todos os males”. Foram 67,5 milhões em 2017.
A região que mais deu em 2018 foi Devon. Foi seguido por Cambridgeshire. Wendy Burn, presidente do Royal College of Psychiatrists, disse: “Para muitas pessoas, os antidepressivos podem salvar vidas, mas eles não devem ser o alvo para os primeiros casos de depressão leve.

“Precisamos garantir que haja investimento em tratamentos alternativos e mais pesquisas para ajudar todos os pacientes que sofrem de uma doença mental”.

O NHS England disse: “Os antidepressivos desempenham um papel importante. Mas com uma atitude de “uma pílula para todos os males”, algumas pessoas tomam medicamentos que não precisam e o financiamento do contribuinte é gasto em prescrições evitáveis. “É por isso que o NHS está implementando alternativas à medicação, como dar cuidados e conselhos adaptados às condições das pessoas. ”


O relatório do NHS Digital também revela uma redução de escala em uma série de prescrições comuns. Entre eles estão os auxílios para parar de fumar – um corte que a British Lung Foundation chamou de “chocante”. Os números incluem todos os itens emitidos pelo NHS na Inglaterra, exceto aqueles em hospitais ou em receitas privadas

Você pode gostar...